“Terra Nova” - Longa metragem sobre a pesca do bacalhau traz à memória o passado da migração açoriana em busca do “sonho americano” - Azores Today

Últimas

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

“Terra Nova” - Longa metragem sobre a pesca do bacalhau traz à memória o passado da migração açoriana em busca do “sonho americano”

A estrear nos cinemas a 19 de março, a longa-metragem “Terra Nova”, inspirada na obra de Bernardo Santareno, e com a Realização Artur Ribeiro, é dirigido ao publico geral, um épico que relata a história trágica dos bacalhoeiros e seus homens.

A produção é portuguesa, a cargo da CINEMATE, uma empresa de produção de cinema e televisão com créditos firmados no mercado nacional e internacional – e que pode ser consultada em www.cinemate.pt.
Esta longa-metragem configura-se de visualização interessante, até porque os Açores viram emigrar muitas das suas populações nos barcos baleeiros, nos séculos XVII a XIX, rumo à “terra nova” e ao “sonho americano”, pelo que este filme é também um pouco da nossa aventura baleeira.

Sinopse: “Nas águas geladas do Labrador, o lugre bacalhoeiro Terra Nova está a passar por um mau ano de pesca. Como o bacalhau é escasso, o Capitão decide navegar até à Gronelândia, rota nunca antes navegada pelos lugres. Enquanto a tripulação luta contra tempestades e o frio do Atlântico Norte, seguimos o drama de Albino, um pescador que já foi primeira-linha, mas caiu em desgraça após um naufrágio, e é agora considerado “má-sorte” para os lugres onde embarca. Apesar do Capitão liderar o navio com pulso de ferro, não consegue evitar um motim que compromete o objetivo da viagem, lançando homens contra homens, num conflito que surpreende Bernardo, um médico que faz a sua primeira viagem e que se encontra dividido entre a solidariedade para com os pescadores e o respeito pela autoridade do Capitão.”,

Actores: Virgílio Castelo, João Reis, Vitor Fernandes, Pedro Lacerda, Miguel Borges, Joao Craveiro, Joao Catarré, Ricardo de Sá, Vitor Norte, Rodrigo Tomás, Miguel Partidário, Manuel Sá Pessoa, Paulo Manso, Miguel Melo.





Sem comentários:

Publicar um comentário